Quem sou eu

PCRJ/SME/Gerência de Mídia e Educação/4ª CRE Rua Uranos, 1230 - Ramos - RJ CEP Telefone 3885 9492 Horário de funcionamento: 2ª a 6ª feira - 9:00h. às 17:00h

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Livros do 15ª Salão da FNILJ - junho 2013 - Luis Eduardo Matta




15ª Salão da FNILJ - 2013


 Luis Eduardo Matta






Nascido em 1974 no Rio de Janeiro, Luis Eduardo Matta tinha apenas 18 anos quando publicou seu primeiro livro, o thriller policial Conexão Beirute-Teeran. Mas foi só em 2007 que estreou na literatura juvenil, com a publicação de Morte no colégio pela Editora Ática. Interessado em história, política internacional, literatura e artes, entre outros temas, ele tem uma curiosidade enorme para desbravar outros mundos e conhecer outras culturas. Luis descende de imigrantes libaneses pelo lado paterno e tem grande interesse pela cultura árabe em geral, tanto que muitos de seus livros são ambientados também no Oriente Médio. Além da criatividade necessária para garantir o interesse do leitor, Luis se dedica a muita pesquisa para tornar factíveis as situações de seus livros. São verdadeiras viagens pelo mundo e uma das partes mais estimulantes do trabalho, garante o autor. Quando não está escrevendo em seu escritório na capital carioca, está passeando pela cidade — mas sempre com a cabeça nas tramas frenéticas de suas histórias. Para ele, os livros de suspense, mistério, aventura e espionagem são uma boa maneira de atrair a atenção de jovens leitores. Foram esses livros que o estimularam a se tornar um leitor voraz e eclético desde os 10 anos de idade. Além dos romances adultos e das novelas infanto juvenis, Luis também escreve antigos e ensaios em defesa do que chama de literatura popular brasileira e da promoção da leitura no país.


                                                                                    INFORMAÇÕES RETIRADAS DO SITE DA EDITORA ÁTICA





O DIÁRIO PERDIDO DE PERNAMBUCO
Autor: Luis Eduardo Matta
Editora: Atica
Parte da coleção Os Caça-Mistérios

É Carnaval. Júlia, André, Rachid e Dona Olga resolvem aproveitar o calor e curtir as festas de Olinda, em Pernambuco, na casa da amiga Almerinda. Mas, para essa turma que atrai aventuras, tudo estava calmo demais — mesmo em meio ao agitado som do frevo nas ruas da cidade.
Mais uma vez eles se veem imersos numa história improvável: Almerinda é subitamente ameaçada por alguém numa sinistra fantasia de bruxa. O medo toma conta da turma, pois nessa temporada, o criminoso pode estar disfarçado em qualquer lugar. Eles decidem então proteger a anfitriã e começam a investigar a relação desse incidente com o sumiço de um frei e de um misterioso diário.
Numa corrida contra o tempo pelas ruas de Olinda e Recife, os quatro vão descobrir que o crime é parte de um plano maior, que eles jamais poderiam imaginar.
Por meio de enigmas, o jovem leitor é convidado a tomar seu lugar nessa investigação e ajudar a resolver o mistério que envolve toda a trama.


http://stg2.novoser.com.br/Imagens%20Abril/obra/capa/9788508120499.jpgO RUBI DO PLANALTO CENTRAL
Autor: Luis Eduardo Matta
Editora: Atica
Parte da coleção Os Caça-Mistérios

Dona Olga e as crianças Júlia, André e Rachid vão viver mais uma aventura eletrizante. Depois de desvendar o roubo da moeda no Paço Imperial, Rio de Janeiro, a turma de detetives vai agir em pleno Planalto Central, na cidade de Brasília: o valioso rubi de um marajá indiano acaba de sumir. Além de passear pela capital do Brasil, admirar as obras de Oscar Niemeyer e conhecer o clima, a vegetação - e o belo céu - do Planalto Central, os Caça- Mistérios terão que ser rápidos e agir antes que esse roubo se torne um problema diplomático. (INFORMAÇÕES RETIRADAS SITE DA LIVRARIA SARAIVA)



http://stg2.novoser.com.br/Imagens%20Abril/obra/capa/9788508114870.jpg

ROUBO NO PAÇO IMPERIAL
Autor: Luis Eduardo Matta
Editora: Atica
Parte da coleção Os Caça-Mistérios

D. Olga, dois netos e um amigo das crianças vão a uma exposição numismática. Enquanto estão lá, a valiosa “Peça da coroação”, moeda de ouro comemorativa da coroação de D. Pedro I, é roubada. Inconformada com o roubo e com a recusa do proprietário em acionar a polícia, a ex-agente da Interpol Olga resolve colocar suas habilidades profissionais em ação novamente, auxiliada pelos garotos. (INFORMAÇÕES RETIRADAS SITE DA LIVRARIA SARAIVA)







A BIBLIOTECA TAMBÉM POSSUI  O LIVRO  IRA IMPLACÁVEL DO MESMO AUTOR.





DESCUBRA O PRAZER DE LER COM SEU FILHO NA BEM OLARIA-RAMOS



 ABC meus primeiros passos 
na leitura e na aprendizagem

Aprenda brincando!

Tragam seus filhos para conhecerem a nossa nova coleção !








Em cada volume, você vai encontrar um livro dedicado a uma letra.
 As histórias escritas em versos e ricamente ilustradas ensinam ao pequeno leitor o alfabeto.









Livros do 15ª Salão da FNILJ - junho 2013 - Lúcia Fidalgo


15ª Salão da FNILJ - 2013


 Lúcia Fidalgo




Lucia Fidalgo é escritora, contadora de histórias do Grupo Morandubetá, bibliotecária, mestre em educação pela universidade federal fluminense, já foi pesquisadora do ALEPH-UFF, e é professora.
Carioca, nasceu no Rio de Janeiro em 1965.
Começou seu trabalho com a Literatura Infantil em 1989, na Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil-FNLIJ.
Como autora, ganhou o prêmio de autora revelação pela FNLIJ, com o livro Menino Bom.
Também trabalha com oficinas cursos e palestras por todo o Brasil. Atua também como especialista de alguns projetos entre eles o Leia Brasil, projetos de Leitura do SESC-RJ e outros.
Já foi professora da Universidade Santa Úrsula, e da Universidade Federal Fluminense, no Departamento de Ciência da Informação, integra o Conselho Editorial da Revista Aprendizagem, da Editora Melo, e prestou assessoria na Editora Zeus - Lucerna, junto aos livros infanto-juvenis em 2007, e criou a coleção "HISTÓRIAS DAS TERRAS DAQUI E DE LÁ". Atualmente é pesquisadora da Cátedra Unesco de Leitura-PUC-RJ.
Foi consultora da UNESCO no Projeto de Memória da Escola no REMEC - PALÁCIO GUSTAVO CAPANEMA, de setembro de 2010 a março de 2011.


I
nformações retiradas do site www.luciafidalgo.com





CANTAR ERA SEU SONHO


Autor:  Lúcia Fidalgo
Ilustrador: Robson Araújo
Editora: Paulus
Assunto: Clementina de Jesus, Religiosidade
Coleção: Brasileirinhos

A autora, Lúcia Fidalgo, apresenta às crianças a vida de Clementina de Jesus, ícone da nossa música. O livro conta sobre seu casamento, sobre o nascimento da sua filha, seu trabalho como doméstica, além da dificuldade de conseguir realizar seu grande sonho, que era poder se dedicar à música. Nascida em Valença, Rio de Janeiro, ela conheceu a música ainda pequenina, quando a mãe entoava cantigas de ninar para fazê-la dormir. Um pouco mais crescida, cantava e dedilhava a viola do pai... trazia na cor de sua pele a magia e o ritmo da África, transformando-se, mais tarde, num elo entre a cultura brasileira e a africana. 





Chiquinha Gonzaga
CHIQUINHA GONZAGA E A MELODIA DAS PALAVRAS

Autor: Lúcia Fidalgo
Ilustrador: Fabiana Salomão
Editora: Paulus
Assunto: Chiquinha Gonzaga
Coleção: Brasileirinhos

Neste livro, a vida de Chiquinha Gonzaga é apresentada desde a infância, mostrando elementos que contribuíram para que fosse o que foi. A intenção não é apresentar modelos a serem seguidos, pois ninguém repete ninguém, e cada um segue o seu caminho, mas apresentar inspirações.








Cora, coração Coralina
CORA, CORAÇÃO CORALINA

Autor: Lúcia Fidalgo
Ilustrador: Fabiana Salomão
Editora: Paulus
Assunto: Cora Coralina
Coleção: Brasileirinhos

“Eu sou aquela mulher que fez a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores.” Melhor definição não há para falar de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, conhecida na literatura brasileira como Cora Coralina. Goiana, aos catorze anos começou a escrever seus primeiros textos e publicá-los nos jornais de sua cidade. Exerceu também a profissão de doceira, polvilhando em seus versos palavras doces, tocantes, que emocionam e fazem pensar. E foi aos 75 anos que ela escreveu seu primeiro livro. Para ela, o que valia na vida não era o ponto de partida, e sim a caminhada. 




INFORMAÇÕES RETIRADAS DO SITE DA EDITORA PAULUS.



OUTROS TÍTULOS DA AUTORA EXISTENTES NA BIBLIOTECA:


Chico, homem da floresta
Falando em versos
Pedro menino navegador
Sabendo ler o mundo










terça-feira, 18 de junho de 2013

Sugestões de Livros


15ª Salão da FNILJ - 2013


Sylvia Orthof





Sylvia Orthof nasceu no Rio de Janeiro, em setembro de 1932 Era filha única de pais austríacos. Além de sua mãe, Sylvia teve a professora Rosalina como contadora de histórias.Aos 15 anos, depois de assistir a uma peça de teatro – Hamlet viaja a Paris para estudar teatro onde permaneceu por dois anos e fez os cursos de mímica, desenhos, pintura e arte dramática Voltando, foi trabalhar no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) no qual contracenou com grandes nomes e realizou alguns trabalhos na tv Record. Sylvia casou-se em 1956, com Sávio com quem teve os filhos: Cláudia, Ge e Pedro. Em1973, viúva e vivendo no Rio casa-se com o arquiteto Tato Gostkorzewicz que se tornaria ilustrador de muito de seus livros. Em 1975, abriu no Rio o Grupo Casa de Ensaios de Sylvia Orthof , só para espetáculos infantis. Em 1981, teve o seu primeiro livro publicado: Mudanças no galinheiro mudam as coisas por inteiro. Em1983 recebeu o prêmio Jabuti de Literatura Infantl A Vaca Mimosa e a Mosca Zenilda. E não parou mais. De lá para cá foram mais de cem livros infantojuvenis que continuam encantando sucessivas gerações. Afinal, histórias sobre liberdade, justiça, afeto e solidariedade quando contadas com bom humor como o de Sylvia não envelhecem. No dia 24 de julho de 1997 o mundo e a literatura infantojuvenil ficaram mais pobres. Morre Sylvia Orthof, aos 64 anos.


O BAILE DO FIM DO MUNDO E OUTRAS HISTÓRIAS
Autor: Sylvia Orthof
Ilustrador: Marilia Pirillo
Editora: Rovelle
Tema: Os sete pecados capitais

Neste livro, a autora conta os sete pecados em narrativas irreverentes e bem humoradas. São os pecados capitais do ponto de vista orthofiano. Por isso, aqui eles têm uma abordagem muito pouco ortodoxa, mas divinamente literária. Não ler os contos “O baile do fim do mundo” (luxúria), “Preguicite aguda” (preguiça), “Um tanto quanto...” (orgulho), “O doce pecado” (gula), “Nem toda ira é Justa” (ira), “Unha de fome” (avareza) e “Seca pimenteira” é mesmo cometer o oitavo pecado: não se permitir o prazer desta leitura.





O LIVRO QUE NINGUÉM VAI LER
Autor: Sylvia Orthof
Editora: Rovelle
Tema: Produção textual; narrativa; livro; tecnologia; computadores; adolescência; amor e amizade; relações sociais; livro; família.

Nesta história com jeito de diário, uma adolescente que sonha ser escritora, começa a escrever sua obra-prima em seu novíssimo computador. No entanto, em um descuido, ela derrama um popular refrigerante no teclado, e uma coisa incrível acontece: o computador “dá pau” e depois assume o controle sobre a criação da jovem. Aos poucos, o projeto gráfico e as ilustrações feitas no computador começam a dialogar com o texto em perfeita sintonia.




                                          INFORMAÇÕES RETIRADAS DO SITE DA EDITORA ROVELLE


OUTROS TÍTULOS DA AUTORA EXISTENTES NESTA BIBLIOTECA

A família eco-eco
A fofa fofura e o sol solteiro
A onça de Vitalino
A velhota cambalhota
A viagem de um barquinho
As aventuras da família repinica em busca do tesouro
As visitas de dona Zefa
Bóia, bóia, lambisgóia
Choque no roque
Currupaco, paco, e tal, quero ir pra Portugal!
Eu sou mais eu
Fada cisco quase nada
Fada fofa e os sete anjinhos
Fada fofa em Paris
Fraca Fracola, galinha d'angola
Galo, galo, não me calo
História de arrepiar o cabelo
Histórias curtas e birutas
Mais-que-perfeita adolescente
Manual de boas maneiras das fadas
Maria-vai-com-as-outras
Mudanças no galinheiro, mudam as coisas por inteiro
Mula sem cabeça e outras histórias
No fundo do fundo-fundo lá vai o tatu Raimundo
O anjo de Aleijadinho
O cavalo transparente
Papos de anjo
Que raio de história!
Rabiscos ou rabanetes
Se a memória não me falha
Se as coisas fossem mães
Se faísca, ofusca (com a história Ora bolhas!)
Sonhando Santos Dumont
Tia Anacleta e sua dieta
Tia Carlota tricota tricota
Tia Januária é veterinária
Tia Libória contando história
Trem de pai...uai!
Uma estória de telhados
Vovó viaja e não sai de casa?
Vovô Bastião vai comendo feijão!
Zoiúdo, o monstrinho que bebia colírio

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Tatiana Belinky

Tatiana Belinky é uma das mais importantes escritoras infanto-juvenis contemporâneas. É autora de mais de 120 livros voltados para este público. Embora russa, está radicada no Brasil há quase oitenta anos.

Nasceu em São Petersburgo (Rússia) no dia 18 de março de 1919 e faleceu em São Paulo no dia 15 de junho de 2013. Chegou com a família ao Brasil aos dez anos de idade, fugindo das guerras civis que assolavam a então União Soviética. Nesta altura, Tatiana já falava russo, alemão e letão.

Aos dezoito anos, após concluir um curso preparatório, começou a trabalhar como secretária-correspondente bilíngue, nos idiomas português e inglês. Aos vinte ingressou no curso de Filosofia da Faculdade São Bento, mas abandonou-o em seguida, quando se casou com o médico e educador Júlio Gouveia, em 1940. O casal teve dois filhos.

No ano de 1948, começa a trabalhar em adaptações, traduções e criações de peças infantis para a prefeitura de São Paulo em parceria com o marido. Em 1952 encenam “Os Três Ursos” em pedido da TV Tupi, que atinge grande sucesso. O êxito deste trabalho foi definitivo para a carreira da escritora iniciante: o casal é convidado a ter um programa fixo na emissora. Dentro da casa, Tatiana e Júlio fazem a primeira adaptação de o “Sítio do Picapau Amarelo”, de Monteiro Lobato. O trabalho do casal na Tupi seguiria até 1966. Neste ínterim, Tatiana Belinky recebe seus primeiros prêmios como escritora, além de tornar-se presidente da CET (Comissão Estadual de Teatro de São Paulo).

Em 1972 passa a trabalhar na TV Cultura e em grandes jornais do estado de São Paulo, como a Folha de São Paulo, o Jornal da Tarde e O Estado de São Paulo, escrevendo artigos, crônicas e crítica de literatura infantil.

Finalmente, em 1985, Tatiana Belinky desponta como escritora de livros, colaborando em uma série infanto-juvenil. Em 1987 publica o primeiro livro: “Limeriques”, pela editora FTD, baseando-se nos limericks irlandeses. A partir desta publicação, Tatiana passa a trabalhar fervorosamente sobre novas criações, chegando a escrever mais de cem obras. Suas publicações são acompanhadas por vários prêmios literários, entre eles o célebre Prêmio Jabuti, recebido em 1989.

Em 2010, no dia 15 de abril ocorreu a sessão de posse da Academia Paulista de Letras, passando a ocupar a cadeira 25 e tendo sido recebida pelo Acadêmico Francisco Marins.



Fonte: Wikipedia


Livros de Tatiana Belinky existentes nesta Biblioteca:

Saladinha de queixas

Transplante de menina

Teatro da juventude (II)

Bom remédio!

Di-versos russos (tradução de Tatiana Belinky)

Di-versos hebraicos (tradução de Tatiana Belinky)

A saga de Siegfried (recontada por Tatiana Belinky)

Olhos de ver

O grande cão-curso

O caso do bolinho

A operação do tio Onofre

Tatu na casca

Sete contos russos (recontados por Tatiana Belinky)

 

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Sugestões de Livros


 15ª Salão da FNILJ - 2013

 Thalita Rebouças






Thalita Rebouças é carioca e sempre sonhou em ser escritora. Jornalista de formação, acabou optando por abandonar as redações e se dedicar à literatura. A autora é um fenômeno com 14 livros publicados e mais de um 1,3 milhão de livros vendidos.








ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRÔNICAS

Autor: Thalita Rebouças
Editora: Rocco


Sucesso entre os adolescentes com os livros da série Fala Sério, Thalita Rebouças parte para divertir pessoas de todas as idades com o lançamento Adultos sem filtro - & outras crônicas. A obra reúne 42 crônicas publicadas pela autora em blogs como o do site da revista Veja Rio, e fala de assuntos do cotidiano com um toque bem-humorado. Família, amor, a carreira de escritora e até o simples ato de pegar um táxi rendem histórias curtas e deliciosas, que deixam os leitores querendo mais, mesmo depois de chegarem à última página.
Organizado em dez capítulos, cada um reunindo entre três e cinco crônicas ligadas pelo mesmo tema, o livro não apenas diverte como permite conhecer um pouquinho do universo da autora. O marido, a avó, uma das melhores amigas e até a celulite de estimação transformam-se em personagens, dando a sensação de que o ato de ler virou uma conversa com uma pessoa bem próxima, que resolveu contar episódios de sua vida.
Em Linda e magra, capítulo que abre a coletânea, Thalita Rebouças fala da vaidade feminina e de autoestima, criticando o exagero e deixando claro que o importante é sentir-se bem. Hipocondríaca? Eu? revela o fascínio da autora por médicos, exames, bulas de remédio e tudo que envolve o mundo da medicina. Fofura em pessoa mostra de que forma Thalita lida com os mais de 150 e-mails diários que recebe em sua caixa postal e como ela age diante de situações curiosas que envolvem amigos e conhecidos.
Celebridades e subcelebridades, Ai, ai... Humanos... Fala sério, taxista! e Lisboa, querida Lisboa reúnem situações nas quais a escritora precisou lidar com pessoas que a surpreenderam com suas atitudes. Algumas foram inconvenientes, como as da crônica Adultos sem filtro, outras fascinantes, como os portugueses e sua lógica própria.Grande família e Eu te amo giram em torno das relações humanas e do amor, enquanto Eu, uma escritora trata de momentos marcantes da carreira de Thalita.
Ao mergulhar em Adultos sem filtro, os leitores percebem que inspiração é o que não falta no cotidiano da autora. Mais do que uma contadora de histórias, ela assume o papel de observadora atenta do dia a dia, capaz de extrair humor das situações mais simples e transformar o corriqueiro em interessante.


ERA UMA VEZ MINHA PRIMEIRA VEZ

Autor: Thalita Rebouças
Editora: Rocco

Coração acelerado, pernas bambas, arrepio na nuca e um friozinho na barriga. Medo? Sim. E também excitação, sonhos, dúvidas, inseguranças e todas as "noias" que as meninas sentem diante da tão esperada e, por que não, idealizada, primeira experiência sexual. São essas angústias e alegrias, contadas de forma leve e bem-humorada, que Thalita Rebouças apresenta em Era uma vez minha primeira vez, seu novo sucesso pelo selo Rocco Jovens Leitores. Com 12 títulos publicados, mais de 800 mil exemplares vendidos e filmes baseados em sua obra a caminho, a escritora que conquistou os adolescentes de todo o país e ganhou fama também na televisão, usa toda a sua sensibilidade e bom humor para falar de um tema que ainda gera muita ansiedade e polêmica entre as garotas. 
Na linguagem típica das adolescentes, a experiente autora no universo teen conta como seis amigas inseparáveis - Teresa, Clara, Tuca, Fernanda, Patty e Joana -, todas entre 15 e 19 anos, enfrentam o antes, o durante e o depois de um dos momentos mais importantes na vida das mulheres. Mas não espere um manual com dicas sobre sexo, virgindade, gravidez e temas afins. O livro reflete as emoções, os sentimentos, medos e anseios das personagens em diversas situações com as quais as leitoras de Thalita certamente irão se identificar.
Teresa, a pegadora do grupo, por exemplo, sempre jurou que nunca iria se apaixonar. Afinal, além de não acreditar no amor, ela pensava que abrir o coração era sinônimo de sofrer. Isso até reencontrar Gaspar. Amigo de infância chatinho que voltou de uma temporada nos Estados Unidos o maior gato, ele prova que a adolescente estava quase certa: não só conquista a menina como a faz chorar e se descabelar - e depois chorar e se descabelar ainda mais -, porque ele tem uma namorada gringa. Caída de amores, ela tenta de tudo para engatar o romance, driblar a dor de cotovelo e, quem sabe, aproveitar um pouco mais os deliciosos beijos de Gaspar.
Já a gordinha Clara se sente a menina mais amada do mundo porque Cabelo, seu namorado músico, não está nem aí para seus quilinhos a mais. Mas ainda assim, a insegurança bate firme quando ela pensa nos comentários maldosos por causa de seu corpo fora dos padrões e, afobada, põe em risco todo o encanto que esperava da primeira vez. A magrela Tuca também não consegue ficar confortável com a silhueta reta de modelo profissional e entra em pânico só de pensar em engravidar de primeira. E Nanda, que só vai à praia de maiô antiguinho com vergonha de uma mancha de nascença enorme no bumbum, se apavora ao imaginar o quanto o sexo com Vina, por quem está apaixonada, pode doer.
Enquanto algumas têm um papo franco com os pais sobre o assunto, como Teresa e Tuca, há quem, como Patty, jamais converse sobre o tema em casa. Patty, aliás, não usa a palavra vagina e sim “Jucileia”, tamanho o tabu em torno do assunto! Ela até passou um tempinho pensando ser assexuada, resolveu que casar virgem daria menos trabalho que não ser virgem e, lá no fundo, tem nojo de sexo. Até que um dia, quando ela menos espera...
E esperar, ah, esperar é o que Joana, a caçulinha do grupo, faz. Gatinha, surfista, boa amiga, excelente estudante, o que falta na vida dela é um namorado, um cobertor de orelha para chamar de seu. Isso, é claro, se seu pai, ciumento até dizer chega, não trucidar o coitado do garoto antes. E não é que surge um companheiro bacana, daqueles que não sai espalhando para todo o mundo o que faz ou o que deixa de fazer, bem do jeitinho que Joana queria?
Era uma vez minha primeira vez, vai além da primeira transa de cada uma das meninas. Com seu estilo franco e divertido, que entra na cabeça de cada personagem para revelar o que elas estão vivendo, Thalita Rebouças aborda tópicos como a amizade, a relação com os pais e a importância desmedida que os adolescentes dão à opinião alheia, em um livro que tem tudo para virar mais um best-seller entre o público jovem.

                                                                                                INFORMAÇÕES RETIRADAS DO SITE  DA EDITORA ROCCO.


OUTROS TÍTULOS DA AUTORA EXISTENTES NESTA BIBLIOTECA:

Fala sério, amiga!
Fala sério filha!
Fala sério, mãe!
Fala sério, pai!
Fala sério, professor!

Tudo por um pop star
Tudo por um namorado
Tudo por um feriado

Uma fada veio me visitar

Ela disse, ele disse